Kana

Por: Solange Castro

A cantora, compositora e violonista, Kana, mora no Brasil há 7 anos, desenvolvendo um trabalho de pesquisa e composições sobre ritmos brasileiros.
Começou sua carreira em Tóquio, sua cidade natal, cantando numa banda de jazz e bossa nova chamada Hiroki Trio, que existe ate hoje, porém, agora, instrumental.
Kana chegou ao Brasil em 1995, estudou violão e canto popular na ULM (Universidade Livre de Música Tom Jobim), viajou por várias regiões brasileiras, sempre pesquisando a música brasileira e começou a compor no Brasil, influenciada pelas descobertas de sua pesquisa.
Em 1999, inscreveu-se pela primeira vez em um dos vários festivais de MPB que ainda existem pelo Brasil, o FAMPOP de Avaré (que já tem 20 anos de existência), e classificou-se em primeiro lugar, com seu xote (em parceria com Leo Nogueira) `Bye Bye, Japão`, defendido por ela e pelo cantor paulista Élio Camalle. Com a premiação, sentiu-se pronta pra gravar seu primeiro cd, que saiu em
2001, `Do Japao ao Ceará` (independente), inteiramente com canções de sua autoria em parceria com o letrista cearense Leo Nogueira.
Participou de e foi premiada em outros festivais e já prepara seu segundo cd.
Após turnê de três meses pelo Japão, pretende voltar com toda força aos palcos de São Paulo (onde mora) e do Brasil, continuar suas pesquisas e aumentar suas parcerias.

 

Alô Música – Alô Kana, tudo bem? Conte para nós, como você conheceu a música brasileira?

Kana – Através do Tom e da Elis.

Alô Música – E como foi isso?

Kana – Ouvi “Wave” na tv e adorei, a partir daí comecei a me interessar por musica brasileira. Mas era instrumental, só piano e na tv a imagem estava passando só mar… então comecei a sonhar com o Rio, ouvindo aquela música e vendo aquela imagem…

Alô Música – Nesse tempo você tinha que idade?

Kana – Aproximadamente 22 anos…

Alô Música – E você estuda música desde que idade?

Kana – Comecei a estudar piano aos 5 anos, mas a professora era horrível e eu desisti, depois, aos 10 anos comecei a tocar percussão na banda da escola e aos 17 anos, fiz uma banda de mulheres e comecei a tocar guitarra, imitando a música americana.
Comecei a cantar profissionalmente tarde, aos 25 anos.

Alô Música – Há quanto tempo você veio para o Brasil?

Kana – Ano que vem já vão fazer oito anos.

Alô Música – Como foi a tua decisão de vir para o Brasil?

Kana – Queria morar no Brasil pra sentir verdadeiramente o sabor do Brasil.
Quando cheguei fui pra São Paulo, pra Liberdade… rs…, porque me indicaram.
Queria ir para o Rio, mas não tinha contatos lá, ou melhor, aí… mas depois fui conhecer o lugar onde Elis nasceu, no sul.

Alô Música – Me conte como foi sua vinda, chegada, enfim, fale de você no Brasil…

Kana – Assim quer cheguei, passei na marginal e haviam muitos barracos, pensei: favela chic. Mas, o que gostei logo de cara foi o forro na Liberdade!
Em frente a minha casa, havia uma casa de forró frequentada só por nordestinos!!! Meus amigos, nordestinos me levaram pra dançar e eu adorei!!!

Alô Música – Kana, como foi o início do seu envolvimento com a música aqui no Brasil?

Kana – Comecei a estudar violão aqui, pois queria aprender a pegada brasileira, depois entrei na ULM (Universidade Livre de Musica Tom Jobim), estudei canto popular.

Alô Música – E você compõe também?

Kana -Depois de um ano no Brasil comecei a compor, porque viajei por vários lugares do Brasil e minha música começou a sair de mim, brasileiramente!

Alô Música – Quais lugares?

Kana – Em primeiro lugar Bahia, depois Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Luis, Recife, Fortaleza, Maceió, interior de Minas, e agora quero ir pra Natal.
Mas ainda quero conhecer Goiás, Tocantins…

Alô Música – Uau – conheces bem nosso país… E dos nossos ritmos, qual mais te toca?

Kana – No Japão, só conhecia bossa nova e samba, agora gosto mais de baião, xaxado e xote, mas quero conhecer melhor o maracatu.

Alô Música – É fantástico…

Alô Música – Me fale mais do teu trabalho, da tua música…

Kana – Em 1999, participamos do tradicional festival de MPB em Avaré-SP e inesperadamente conquistamos o primeiro lugar, logo de cara, com um… xote chamado “Bye Bye, Japão”. Isso me incentivou a gravar meu primeiro cd com canções próprias chamado “Do Japão ao Ceará”, pois o Leo é letrista de todas as canções do CD é cearense.

Alô Música – esse CD saiu quando?

Kana – Saiu ano passado, independente e livre.

Alô Música – Fale mais do teu trabalho…

Kana – Comecei a frequentar o extinto bar de mpb em Sampa chamado Boca da Noite, la conheci o Leo Nogueira. Consumada a parceria, comecei a fazer shows em vários bares de São Paulo e cheguei a viajar para o Paraguai, sempre levando minha música. Quando me senti preparada pra gravar, convidei Oswaldinho do Acordeon pra fazer 6 dos 12 arranjos do disco. O disco tem bossa nova, xote, baião, chorinho, valsa, blues brasileiro, ijexa, entre outros…

Alô Música – E quem são seus parceiros mais frequentes?

Kana – Depois do Leo, o Elio Camalle e recentemente o Adolar Marin. Mas estou aberta a novas parcerias, se o Leo deixar…
No último cd do Elio Camalle há uma parceria de nós três, chamada Balão, que ganhou um festival infantil em Ribeirão Preto e tem letra em japonês e português!!!

Alô Música – Hum… isso deve ser interessante – você compõe música infantil também?

Kana – Pra mim, música não tem diferença, quando aparece, faço, mas criança é inteligente, entende mais que os adultos, porque a gente ganhou!!

Alô Música – Agora me fale dessa tua visita ao Japão…

Kana – Ha 5 anos eu não vinha, então aproveitei o momento pra matar a saudade e agendar alguns shows, que ainda estão rolando, até meio de dezembro.

Alô Música – E voltas quando?

Kana – No dia 20 de dezembro.

Alô Música – e quais são seus planos para o próximo ano?

Kana – Pretendo aumentar meus shows no Brasil, mas planejo uma viagem a Cuba e mais uma temporada aqui no Japão.

Alô Música – Para Cuba vais a passeio ou trabalho?

Kana – Vou a pesquisa, pois gosto muito da música cubana também.
Gosto muito da musica de João Donato, que e um dos mais cubanos do Brasil…

Alô Música – Sim… tem razão – quais são os músicos que mais gostas aqui no
Brasil?

Kana – Edu Lobo, Baden Powell e Tom Jobim são meus preferidos.
Mas agora estou ouvindo muito Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro e Joao do Vale. Mas tem muito mais, o Brasil tem muita gente boa. Mas, na realidade, o que mexe comigo muito é a música negra brasileira, como Candeia, Cartola e Nelson Cavaquinho.

Alô Música – E no mundo?

Kana – Os primeiros foram os Beatles, depois Stevie Wonder, mas gosto de muuuita gente, não caberia aqui… ah, adoro também o rock inglês, Elvis Costello, Rolling Stones e Clash.

Alô Música – O que mais gostaria de nos falar?

Kana – Acho que o mundo está vendendo música, mas no Brasil esta NASCENDO música, sempre. Espero que o novo presidente de educação pra que todo o povo brasileiro tenha acesso a sua verdadeira música… ou melhor, sua arte em geral.

Alô Música – Me conte uma coisa – nessa tua temporada no Japão, como foi a receptividade do público com a sua música? Para eles são inéditas..

Kana – Os japoneses estão aprendendo a dançar, a mexer, e contribuí para o aumento disso, dando a eles muita música nordestina, já que aqui ainda predomina a bossa nova e o jazz.

Alô Música – E eles receberam bem esses ritmos?

Kana -Sim eles gostaram, mas ainda há muita resistência a outro tipo de música que eles não conhecem… São 40 anos de bossa nova e mais de jazz.

Alô Música – Obrigada, Kana – estamos te esperando no Rio de Janeiro – queremos conhecer tua música…

Boa viagem…